terça-feira, 27 de novembro de 2012

Como uma esposinha puta deve se vestir


Blusinha soltinha e sem sutiã... sainha curtinha, bem apertadinha, sem nada por baixo e sapatão de puta, bem alto, bem chamativo, bem de vadia mesmo... concorda comigo? Pra ficar perfeito, só uma tornozeleira no pezinho dela pra sinalizar que ela é uma putinha liberada!

14 comentários:

KSADA KER PORRA disse...

PERFEITO É ASSIM MESMO.

Anônimo disse...

mais do que perfeito......é tudo para o corninho......

Ricardo Mauro disse...

>>> Eu sou de Brasília-DF sou comedor de esposinhas. Adoro comer as esposinhas de meus amigos na frente deles. Adoro gozar dentro das bocas das esposinhas dos meus amigos e adoro mandar os corno limparem tudinho. Tenho 34 anos, qualquer casal que curta entre em contato comigo. ricardaodf@hotmail.com ou (61) 9100-8848

Anônimo disse...

oi nao sou casada mas pode me comer

Anônimo disse...

sem duvida vc quer?

Anônimo disse...

http://4.bp.blogspot.com/-Z3P-b6iQbCM/U08E4hMSVEI/AAAAAAAAC4Y/29IqibGEae8/s1600/foto21gostaderola43anos.jpg



Como vocês viram, uma morena de 42 anos presumíveis, casada, mãe de dois filhos. Rabuda, sim. Muito rabuda. Bunda gostosa e com celulites. As melhores ! Aliás, sonho de muito macho, muitos machos mesmo. Meter nesta bunda com vontade. Professora de 2º grau numa escola particular. mulher inteligente. O marido, um manso que adora exibi-la. Quanto mais velhos foram ficando, mais safados. Ela gostava. Ué ? Que mulher não gosta de ter homens com olhar de tarado querendo comê-la de todos os modos ? E ela já tinha 'sangue de puta' foi só o maridão 'ativar' no dna a putaria da esposa. Não foi fácil mas com o tempo ela topou e eles não pararam. Eram os filhos, ainda pequenos. Agora, aborrecentes, usou a sacanagem para 'extravasar'. Todos os sábados saiam para 'passear'. Começaram frequentando bares, cinemas. Depois foram indo para lugares mais afastados. Diria, lugares mais perigosos. Periferia. Os machos da periferia eram homens que respeitavam mesmo sem muita educação mas que, se houvesse uma chance, mandavam umas sacanagens bem ditas, chulas, no ouvido dela que chegava quase a gozar. Depois contava para o maridão que via tudo de longe, sentado num mesa de bar quando ela ia e voltava do banheiro. E todas, nessa área da cidade, todas as putarias ditas no ouvido da quarentona, os machos diziam querer enfiar na redonda bunda macia e deliciosa dela. Não era por menos, o marido exibia a esposa - por exemplo - com saias apertadas brancas, calcinhas pretas e vermelhas enfiadas no rabo. Saltos altos, muito altos, para empinar o bumbum. Com a saia, camisetas decotadas.

Anônimo disse...

E assim foi. Um macho chegou a mostrar o pau, enorme, e bater punheta forte para ela. Na realidade, foi bem pior. Uma ruptura com a fantasia. O momento em que marido vira verdadeiramente corno e mulher vira verdadeiramente puta. Ela ficou impressionada com o tamanho daquilo. O pau do marido era de 18 cms de comprimento, um bom pau, mas não muito grosso. Era um negro que ela assanhou muito só para o marido ver. Explico. Num restaurante de beira de estrada, em Nova Iguaçú, Baixada Fluminense, o casal foi além. Um segurança de uma empresa local estava no bar. Um gigante negro. Bateram papo com ele, pagaram muitas cervejas. Com o tempo passando e a bebida surtindo efeito, conversaram sacanagens. Deixaram rolar. Ela, com o consentimento do maridão, sorriu maldosamente pro negão e depois foi na direção de um banheiro sujo, fora do restaurante. 2 da manhã. O negão sorriu pro marido e o marido sorriu pro negão. O cara foi atrás. Um homem de 50 anos. Ah, o marido tem 46 anos, 4 a mais que a gostosa esposa. Chegando lá, com uma lampada só a iluminar lugar. O cara tirou o imenso pau para fora. Ela se assustou. O cara a segurou pelo braço ! Mandou ela ficar calada e se ajoelhar ! Ela ficou de cara para a imensa glande vermelha com o dono punhetando o imenso pinto sem parar e com cara de tarado. Coisa de 25 cms, seguramente. Procurou o marido e ele não aparecia para salva-la. Ele estava próximo, no escuro mas ela, nervosa e já 'alta' de tanta cerveja, não o viu. 'Olha para o bicho negro, puta safada ! Não decepciona o papai aqui, não... Ajoelha e levanta a saia ! Quero bater uma olhando esse rabão...', ele mandou e ela fez. Ela começou a sentir vontade, de fêmea, de abocanhar o caralho, a cabeça vermelha e grande do caralho do negão. Abriu a boca enquanto batia uma siririca. O negão encostou a glande nos lábios vermelhos de batom e ela fechou os olhos botando a língua para fora. Ela, além de ser gostosa, é linda. Não deu outra. O segurança, segurando a cabeça dela, mandou que mamasse.Ela o fez de boca bem aberta engolindo o que podia. logo, lambia a veias do tronco imenso. "Pára e abre bem a boca, cachorra... isso... isso... segura ele... na di... na di... na direção da tua boca ! bebe, piranha, não foge, porra ! Bebe "! E ele despejou porra em quantidade que ela não pode aguentar na boca. Ficou ajoelhada, toda esporrada no rosto, com porra na boca toda machada de batom vermelho puta, nos cabelos, no pescoço e nos seios. Um banho de esperma branco e espesso ! O cara esperou um pouco olhando para aquela bunda maravilhosa, guardou o pau e saiu passando pelo maridão que acabara de esporrar também vendo a cena. Ela chorava. Saíram sem falar um com o outro no carro. Voltaram para casa.

Anônimo disse...

Ela achava ter ido longe demais.Ele, corno enrustido ainda, ficou calado. Como o tempo, foram conversando. Aquilo tinha virado uma droga para eles. Resolveram fazer tudo mas sem chegar até aquilo que ocorreu em Nova Iguaçú. Fizeram como o combinado mas não sentiam mais tesão só naquilo. tinham 'passado de nível'. Só sentiriam tesão fazendo aquilo que o negão fez com ela. aliás, o que ela fez com o negão. O que o segurança fez com a esposa dele. O que os dois fizeram. E ela estava totalmente de acordo. Mas o próximo poderia ir além... foram para um restaurante na Via Dutra, numa parada de caminhão mais longe do lugar do encontro que mudou tudo. Isso, um mês depois. Antes, ela se torrou na praia por uma semana só para conferir aquela marquinha branca de puta no rabo. No dia foi toda de branco. Parecia uma puta noiva. O maridão pediu para ela tirar a saia e deu uma conferida: " vira, amor, e empina...".

http://4.bp.blogspot.com/_Sdm4NgYTe0E/SdLL_xo0FZI/AAAAAAAAAGk/LDE-PWrV_aU/s1600/106.jpg

Tirou uma foto. Saíram às 8 horas da noite chegando quase 2 horas depois no restaurante depois da subida da serra. No restaurante, muitos caminhoneiros e mulheres. Algumas prostitutas. Logo saíram com seus machos. Um homem estava só. Era caminhoneiro do centro oeste. Um moreno mulato. Forte e alto. Da idade deles. Usava barba. Era feio mas charmoso. Ela ficou olhando após tomar caipirinhas. O maridão resolveu ir no banheiro deixando-a sozinha. 15 minutos se passaram e ele, sem os dois saberem, foi para fora do restaurante. O sujeito sabia que ela estava acompanhada por isso, nada fez. Com o tempo passando, perguntou. "está sozinha ?"," Não. Mas pode se chegar. estamos brigados..." O cara se levantou e era um tripé ! Parecia carregar uma barra de ferro na calça de jeans clara. Ela não tirou os olhos. Ele notou. 'É grande, né ? todas se surpreendem...', disse. Caramba.Mas sabia ser mulher experiente. Ela riu e conversaram. O marido não entendeu pois a conversa esta boa demais ! Ela sorria, o cara olhava firme nos olhos dela. Não sorria, só falava e ela estava muito interessada. O maridão, fora do bar só olhando. Uma hora depois, os dois se levantam da mesa. O mulato era enorme e ela, ia na frente. o cara pegou um vidro que parecia ser de azeite e colocou escondida na capa de couro que usava e tinha deixado pousada na cadeira onde ele, o marido, havia sentado. Falou algo com o garçom e deu uma nota de 100 para ele. Só podia ser de 100, era verde. .

Anônimo disse...

A esposa parecia um pouco bêbada tanto que o mulato abraçou-a pela cintura. Foram andando para trás dos estabelecimento. O marido ficou assustado. Andaram na direção do barranco. A luz ainda iluminava o lugar. ' Que diabos ela está indo para lá ? Que perigo '!, pensou. Chegando no barranco, ela se virou para o mulato. Estavam protegidos por alguns arbustos. Ela se abaixou diante do sujeito. Sumiu atrás dele. ' Vai mamar a piroca do cara. Está mamando...', falou em voz baixa o maridão. tinha um caminho que subia o barranco e por ali ele foi, pela esquerda. o caminho justamente passava por trás dos dois num ponto uns dois metros acima deles. Tirou os tenis e foi descalço, só de meia. Os dois nem notaram a presença dele. A esposa, realmente, chupava o pau do sujeito. ' Mama, mulher, chupa com vontade... você está precisando...', dizia o cara, segurando com as duas mãos a cabeça da esposa na altura das orelhas dela. Ela que tinha feito um coque no cabelo no alto da cabeça. 'Vem cá... vira, dá uma de potranca e escora no barranco...'," Quero que você faça como você fazia com as éguas lá em mato grosso quando você era jovem ! las não gostavam, pois então, eu vou gostar..."., disse a esposa. O maridão viu, com a luz de um poste alto iluminando fracamente o lugar, a esposa virar-se, o mulatão levantar a saia colada ao rabo dela, baixar a calcinha marcando as coxas. Estava bem acima dos dois. Paradinho. Agachado. A bunda bronzeada dela brilhava com a fravca luz. O mulato chegou a babar. Num instante, viu o tamanho da ferramenta do sujeito ! Um régua de 30 centímetros era pouco. Estava bêbado mas como a mão do sujeito estava bem na raiz do trabuco, e a mão era bem grande, sobrava caralho, muito caralho ! Com uma cabeçorra vermelha com uma imenso rasgo na frente ! Era um alazão comendo uma potranca do rabo grande ! O mulato mirou e entrou. Na boceta.
Fodeu forte com ela aguentando os trancos fortes do sujeito. ela sorria, pedia mais ! A bunda dela, com a força das estocadas, se abria com as bandas indo para fora e voltando. O mulatão a segurava pela cintura. 'Por favor, por favor... você disse que não gozaria aí, por favor, deixa eu gozar... é grande demais mas é muito gostoso ! Continua... ma quero na bunda, na bunda... o seu leite...", da própria bocada esposa ! Não estava mais de pau duro. estava ansioso, nervoso..." Na bunda, não ! A bunda é minha, só minha..."

Anônimo disse...

A mulher gozou alto tanto que o mulato olhou para trás com medo que alguém ouvisse. Ficou segurando ela com um braço em volta da cintura e enfiou a mão direita na boca dela. Nunca tinha gozado tão selvagemente assim. " A gora, te prepara, mulher. Vou botar devagar nesta bunda carnuda. Se recupera... As éguas adoravam... as coroas amigas da minha mãe se apaixonaram... E eu precisei virar caminhoneiro para fugir das fêmeas...", e foi pegando a garrafa de azeite e passando o líquido no imenso caralho. Ela colocou as mãos bem no alto do barranco e empinou bem a bunda. O maridão, chorando, viu a glande enorme encostar na bunda e abrir passagem. E mulato foi enfiando, enfiando. Ela sentiu. O cara sabia comer um rabo. Passou mais azeite. Entrou a enorme cabeça. Ela fez cara de dor, olhando para cima. Mas não viu o marido nem recuou do caralhão. 'Rebola, vai...', pediu o enrabador. Ela rebolou e foi engolindo o bichão. Dava pro corno ver, de cima, a bunda sendo aberta pelo imenso mastro. 5 minutos depois, já acostumada, o caminheiro pôde comer o rabo dela de verdade. Fodeu cadenciado e ela acompanhava, querendo olhar, virando-se para ele, e olhando para baixo, na direção do próprio rabo. Um espelho faltava. Ele parou e despejou a porra quente dentro daquela bunda, inundando o cú dela. Ela sorria novamente. "Meu Deus ! como pulsa...". Ele saiu de dentro dela e ela deu-lhe um beijo de língua. O mulato ainda entregou um pano para ela, se enxugar. O marido sentou-se no caminho e ficou vendo os dois voltarem para o restaurante. meia hora depois, ele sentou-se do lado da esposa. " Manuel. É o seguinte. Estou indo com o Elias para uma pequena viagem. Não tem problema porque os meninos estão na Disney e só voltam daqui a 2 semanas. Antes disso, estou de volta. Uma aventura que preciso. meu rabo está doendo mas estou me sentindo fêmea. Até, ,eu marido". E, impotente, viu a esposa, apaixonada pela pica do mulato caminhoneiro, se dirigir até o caminhão do sujeito. Entrar e partir. 9 dias depois, ela apareceu e vida que segue. Mas o Elias ela encontra sempre. Aliás o segurança comeu ela também... e o casal quer mais.

Mestre Qfoda

Anônimo disse...

A minha sai assim todo dia... adoro.

Anônimo disse...

É assim mesmo que tem que ser

anônimo disse...

Ola tudo bem com você sou um moreno olhos verdes tenho 20 cm de rola se você quiser me ligá 018981314408

m4rkus disse...

Oi casais,sou de Guarulhos sp,Moreno,ROLUDO e safado,Comedor de casadas,noivas e namoradas de corno. Novo whatsapp 968249759(oi)
m4rkus3000@gmail.com